Posts Marcados incêndio

Operação Combate

Incêndio atingiu a margem direita da Cachoeira do Fundo do Matutu, nas proximidades da divisa com o Parque Estadual da Serra do Papagaio – PESP.
No dia 13, terça-feira passada, por volta das 13 horas foram detectados os primeiros sinais do fogo. Em rápida ação, 10 brigadistas da Base Matutu e 1 da Base Alagoa chegaram ao local e deram início ao combate. A ação durou cerca de 5 horas e os brigadistas deram por terminado o trabalho por volta das 20 horas naquele dia.
O retorno para averiguação, apagamento de pequenos focos e rescaldo foi feito no dia seguinte, 14/08 por 4 brigadistas do Matutu, da Brigada Montada, após o sobrevoo de avaliação. Neste mesmo dia, o incêndio foi dado como totalmente finalizado por volta das 11horas e o rescaldo foi finalizado, aproximadamente, às 17 horas
O combate contou com o apoio da Gerência do PESP, do PREVINCENDIO e da Polícia Militar, que enviaram o helicóptero.
A área queimada foi estimada em 5,6 hectares, queimando áreas de capoeira (samambaia) e candeial.
Anúncios

, , , ,

Deixe um comentário

Muita seca e pouco fogo

Ver é uma celebração solitária. Fotografar é celebrar com o próximo!

Dia 21 a primavera chegou!

Deu o ar da graça para coroar um período de muita seca e de nenhum incêndio na região da Serra do Papagaio, diferente do ano anterior que tivemos muitas áreas queimadas, muita fauna e flora destruída. Infelizmente, nem tudo é alegria, em outras regiões do país o fogo pegou e pegou muito. Para confirmar, o jornal informa:

Em todo o país, o número de focos de calor este ano já é quase 80% maior do que no mesmo período de 2011 (setembro a setembro).

As equipes de fiscalização planejam o combate aos incêndios com base nas informações enviadas por oito satélites, que monitoram os focos de calor, representados por pontos vermelhos. Os dados são atualizados diariamente….segundo o instituto Chico Mendes, os parques e florestas nacionais mais atingidos pelo fogo estão na área que vai do Tocantins, passando pelo sudoeste do Pará e sul do Amazonas. Segundo especialistas, a principal causa das queimadas nessa faixa é a expansão agropecuária desordenada.

“Os incêndios se propagam dessa maneira: a prática de queima em propriedade rural que entra em uma unidade de conservação.

Neste ano, os incêndios já consumiram trezentos mil hectares em unidades de conservação federais.

Mas vale lembrar, aqui não!
É preciso reconhecer que não é uma questão de sorte apenas, acreditamos que os moradores, proprietários e todos aqueles que vivem desta e sobre esta região, estão mais conscientes. Reconhecem o enorme prejuízo que uma queimada, que um incêndio podem causar e isso, em conjunto com o trabalho que vem sendo realizado pelo IEF, Previncêndio, pela gerência do PESP, ongs que atuam na região e pela Fundação Matutu é o que vem garantindo uma época sem fogo.
Parabenizamos a todos os atores deste processo, mas, principalmente aos moradores desta região e aos brigadistas que se mantiveram e se mantém em estado de atenção. Vamos continuar assim, garantindo nosso futuro ambiente, a reposição das matas, fauna e flora que tanto sofreram até o ano passado.

Em tempo, o Projeto Bases Comunitárias de Proteção e Combate a Incêndios Florestais, realizado pela Fundação Matutu em conjunto com TFCA/FUNBIO e coordenado pela gerente do PESP, Clarice Lantelme, foi iniciado em fevereiro deste ano e já implantou as bases de Aiuruoca, Alagoa, Baependi e Pouso Alto. Essas bases são compostas por um coordenador e vários brigadistas, todos voluntários e que já estão equipados e trabalhando na prevenção e no combate a incêndios. A meta é termos mais um ano sem fogo em 2013, com isso ampliaremos nossa atenção para a visitação do Parque, para o turismo e para o desenvolvimento da nossa região.
Fica o convite para você conhecer a base de sua cidade, conhecer os brigadistas e o trabalho que eles fazem. Mesmo quando não temos fogo eles estão trabalhando, fazendo cursos , atuando como guias e protegendo nossas belezas naturais, a flora e fauna.

, , , ,

1 comentário

Novo incêndio atinge setor norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Por volta de 12 horas começou um novo incêndio no setor norte do Parque Estadual da Serra do Papagaio – PESP. O fogo teve início na trilha que atravessa o fundo Vale do Matutu para o Cangalha e, fora de controle, de acordo com informações de nossos brigadistas, estima-se que tenha destruído aproximadadmente 85 ha. de campos, candeais e algumas áreas de floresta densa. O prejuízo é incalculável, o incêndio se transformou em “incêndio de copas” e as chamas chegaram a mais de 12 mts de altura.

A brigada montada da Fundação Matutu, mais moradores do Vale do Matutu e do Cangalha, num total de 22 pessoas, fizeram trabalho de combate durante toda a tarde e parte da noite até 21 horas, aproximadamente. A linha de fogo é muito grande, aproximadamente 3,5 km. A localização do incêndio é de díficil acesso e tem uma grande quantidade de material combustível seco, não permitindo a continuidade do combate durante a noite. Os combatentes retornarão ao local amanhã no raiar do dia.

Glossário: Incêndio de copa: Tipo de incêndio que se caracteriza pela propagação do fogo através das copas das árvores. Considera-se incêndio de copa aquele que ocorre em combustíveis acima de 1,80 m de altura.

Algumas fotos de acompanhamento do incêndio dão a ideia da dimensão do estrago.

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

Incêndio Setor Norte do PESP

, , , ,

1 comentário

Novos focos de incêndio reacendem discussão sobre o impacto das queimadas

Os danos são irreparáveis.

Os danos causados por um incêndio na mata são irreparáveis

Duas áreas do Parque Estadual da Serra do Papagaio – PESP e seu entorno voltaram a ficar em chamas no último domingo, dia 18. Uma entre o  Juju e a Serra do Chapéu, no lado oeste do PESP e a outra abaixo da sede do Parque, nos campos e pinheirais, à margem direita do ribeirão Santo Agostinho. De acordo com  a gerente do PESP, Clarice Lantelme, os vigias da Fazenda Santa Rita, sede do Parque, avistaram, embora a grande distância, pessoas à cavalo ateando fogo em três pontos. Esses focos se estenderam rapidamente  e, desde o domingo, dão trabalho novamente às brigadas, bombeiros, administradores do PESP e provocam tristeza e indignação a todos aqueles que defendem o meio ambiente ou, pelo menos, pagam corretamente seus impostos. Já estamos contabilizando  quase 40 dias de incêndios na região da Serra do Papagaio. Neste período, conforme declaração de Lantelme,  foram gastos mais de 130 mil reais. Bombeiros de São Lourenço e muitos brigadistas da região foram mobilizados, um grupamento do CORPAer e um helicóptero, vans, carros de passeio e pessoal das prefeituras foram envolvidos no combate aos incêndios, registrados em inúmero pontos da serra, apenas na região do PESP, sem contar o valor do trabalho voluntário de brigadistas e moradores da região que não tem preço. Os incêndios, em sua maioria, ocorrem pela intenção de queimar os campos para o pastoreio. Começar um incêndio é fácil. Difícil é controlar o fogo. É impossível garantir que não vai atingir matas e se manter por vários dias causando danos irrecuperáveis à nossa fauna e flora, sem contar o prejuízo no erário que a custa de impostos cobre todas as despesas causadas pela ignorância e pelo abuso da impunidade.

O que temos visto ocorrer durante os últimos anos é a repetição deste quadro emoldurado pelas posturas governamentais que, devido à dificuldade de negociar definitivamente com os proprietários contíguos ao PESP, contando com a compreensão destes e não utiliza as premissas legais para apurar os responsáveis, cujas multas ultrapassariam o valor das indenizações. No entanto, colocar fogo em área destinada à preservação é ilegal. É inadimíssivel que, após todo o trabalho e dinheiro que foram investidos para dominar os incêndios, alguém, pensando em seu lucro próprio, sabendo que estamos em um ano de seca incomum, desconsidere tudo isto e repita esta ação, gerando focos de incêndio em locais inacessíveis. A brigada Matutu vem trabalhando voluntariamente, há mais de 20 anos, empenhada na defesa do meio ambiente, da vida, das nascentes e do ar, independente se estamos vivendo em nossa reserva, em um Parque ou em uma APA Federal. Só quem está intimamente vinculado a este trabalho, no dia-a-dia, sabe os valores que se perdem e se gastam em um incêndio. É necessário que a imprensa, as escolas e formadores de opinião se unam e, junto ao governo, atuem para dissolver os problemas, agilizar as soluções e sensibilizar àqueles que ainda ignoram a urgência de mudança de comportamento em relação à natureza, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e ecologicamente correto na Serra do Papagaio.

Resultados do Incêndio no Juju e Serra do Chapéu
Ainda hoje, o incêndio que se iniciou no domingo, continua ardendo e dando trabalho para combatê-lo. Já foram mobilizados mais de 30 combatentes, entre brigadistas e bombeiros, um helicóptero para logística, que pousou hoje na sede do Parque, e foi pedido o apoio de um avião para o combate ao fogo.

A gerente do Parque afirma que já está tomando providências e pretende, assim que o “fogo deixar”, iniciar os encontros com os proprietários para conhecer a realidade local e ampliar a interface de diálogo para buscar soluções para os maiores problemas enfrentados no momento: o fogo e a regularização fundiária. Estamos num círculo vicioso, o fogo destrói o Parque e, se o Parque for destruído, não haverá o que preservar nem o que indenizar. Esta inconsciência gera prejuízo para todos, inclusive para o proprietário. Por outro lado, na perspectiva da gestão governamental, consideramos necessário profissionalizar brigadas, apoiar e garantir o custo do trabalho de brigadas voluntárias, há muito existentes e formadas na região, e criar e gerir um plano preventivo para evitar ações imediatistas que ficam sempre mais caras e difíceis de gerenciar. As comunidades do entorno, a população das cidades, do estado, do país e até do mundo, proprietárias, por direito, da água, do ar, e de todos os bens da natureza, chamados de “direitos difusos”, arcam com o prejuízo maior, principalmente por ter a certeza de que não soubemos trabalhar e viver, garantindo os direitos básicos das gerações futuras.

, , , ,

Deixe um comentário

Sistema VDI monitora Chapadão

6:30

O Incêndio neste local atingiu grande extensão queimando os campos durante à tarde e a noite de ontem. Na madrugada, se alojou nas matas e grotas, necessitando de rescaldo para que não se reacenda no calor do dia.  O vigilante fotografou a partir do posto de vigiância do alto do Matutu/Macieira e continuará monitorando durante o dia.

Fogo no Chapadão

Fogo no Chapadão - aproximação - Foto: Aton Wilches

Fogo no Chapadão

Fogo no Chapadão - Foto: Aton Wilches

, , , ,

Deixe um comentário

Fogo no Chapadão

19:00

Conseguimos contato com a gerente do Parque que informou sobre o foco de incêndio no Chapadão. São 20km de linha de fogo. Muito fogo de grande intensidade. Uma equipe de 10 homens se encontra no local do combate e ela aguarda contato com outras brigadas voluntárias da região para aumentar este contingente amanhã. Há a previsão para a vinda de um helicóptero de apoio e um avião para combate a partir de amanhã.

A Brigada Montada Matutu está combatendo o foco dos Pinheirais e, de acordo com os contatos recentes com a brigada, o fogo já está controlado.

, , , ,

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: