Arquivo para categoria meio ambiente

Parceria com Fundação Matutu traz projeto da SOS para região do CER-Serra do Papagaio

Cartaz-expoSOS A Mata Atlântica é Aqui!

O Projeto Itinerante da Fundação SOS Mata Atlântica chegará em Baependi no dia 30 de maio e permanece, durante a Semana do Meio Ambiente, até 9 de junho, recebendo interessados, escolas e visitantes  das 10h às 17h. Trata-se de um caminhão trazendo uma série de atividades e uma exposição sobre a Mata Atlântica.

O Caminhão ficará localizado na cidade sede do CER-Serra do Papagaio, consórcio que congrega os municípios do entorno do Parque Estadual da Serra do Papagaio (Aiuruoca, Alagoa, Baependi, Itamonte e Pouso Alto). Baependi foi o município escolhido também por ser o mais central entre os cinco. O tema da exposição é ” A Mata Atlântica é Aqui”. O projeto existe e vem atuando desde 2009 e, neste ano, ao deixar a cidade sede do CER, percorrerá mais 21 cidades brasileiras (Para conhecer o projeto acesse a página da SOS, clicando aqui).

A Fundação Matutu, parceira da SOS Mata Atlântica, manteve entendimentos para inclusão dos municípios da região através do CER-Serra do Papagaio, e a  Prefeitura de Baependi está garantindo a infraestrutura para a permanência do Caminhão/Exposição e realiza outros eventos em conjunto com este na sua Semana de Meio Ambiente 2013. Veja a programação completa ao final da matéria.

Filipe Condé, Secretario de Meio Ambiente de Baependi, garante que este é um momento especial para ampliar a visibilidade do Consórcio, do Parque Estadual da Serra do Papagaio e de sensibilizar ainda mais as populações dos municípios consorciados para ações de preservação e conservação de nossas riquezas ambientais, principalmente por ser um projeto educativo que tem como público base as escolas, crianças e adolescentes.

Serviço:

Exposição Itinerante do Cidadão Atuante – A MATA ATLÂNTICA É AQUI
Dia: 31 de maio a 09 de junho de 2013
Horário de funcionamento: 10 às 17h, diariamente
Local: Baependi, cidade sede do CER-Serra do Papagaio – Rua Getúlio Vargas, Centro – ao lado da Igreja Matriz

Realização: Fundação SOS Mata Atlântica.
Patrocinadores: Bradesco Cartões, Natura e Volkswagen Caminhões & Ônibus.
Parcerias Locais: Prefreitura Municipal de Baependi, CER-Serra do Papagaio e Fundação Matutu.
Anúncios

Deixe um comentário

Estrada Real passa pelo Matutu

3 de novembro, sábado nublado e clima agradável, nem muito quente nem muito frio, como se diz na região. Dia perfeito, aliás, para uma caminhada, perfeito também para as Caminhantes da Estrada Real, um grupo de mulheres ilustres que fazem do caminhar, uma forma de trabalho social, de inclusão e despertar para a preservação das belezas naturais e humanas do Caminho. Guiadas pela alegre e comprometida Maria Elvira, as dez representantes do grupo de mais de oitenta mulheres, visitaram a Fundação Matutu neste final de semana. Acompanhadas pelo Secretário de Estado de Meio Ambiente, o aiuruocano, Adriano Magalhães, foram anfitrionadas por Guilherme França e recebidas pela Diretora Executiva da Fundação Matutu, Maria Dorotéa. O Caminho é assim, quem vem traz notícias, quem vai leva saudade e o grupo, antes de seguir a caminhada, deixou sua mensagem, um hino de esperança e algumas mudas de araucárias plantadas na área da reserva. Vida longa às Caminhantes para que continuem levando sua alegria e trazendo notícias dessas terras mineiras pela Estrada Real.

Clique aqui e acompanhe este evento através do albúm de fotos.

As Caminhantes da Estrada Real, presididas pela ilustre Sra. Maria Elvira visitaram a Fundação Matutu, em Aiuruoca, no dia 3 de novembro.

Maria Elvira ao lado de Guilherme de Melo França, Presidente da Fundação Matutu, durante a visita das Caiminhantes da Estrada Real à Instituição.

O Scretário de Estado do Meio Ambiente, Adriano Magalhães, acompanhou as Caminhantes e ajudou a plantar mudas de araucárias. Uma das marcas registradas desse grupo de mulheres, que faz do caminhar pelas estradas de Minas um trabalho de inclusão, resgatando a história mineira e disseminando a importância da preservação ambiental.

, , ,

Deixe um comentário

Muita seca e pouco fogo

Ver é uma celebração solitária. Fotografar é celebrar com o próximo!

Dia 21 a primavera chegou!

Deu o ar da graça para coroar um período de muita seca e de nenhum incêndio na região da Serra do Papagaio, diferente do ano anterior que tivemos muitas áreas queimadas, muita fauna e flora destruída. Infelizmente, nem tudo é alegria, em outras regiões do país o fogo pegou e pegou muito. Para confirmar, o jornal informa:

Em todo o país, o número de focos de calor este ano já é quase 80% maior do que no mesmo período de 2011 (setembro a setembro).

As equipes de fiscalização planejam o combate aos incêndios com base nas informações enviadas por oito satélites, que monitoram os focos de calor, representados por pontos vermelhos. Os dados são atualizados diariamente….segundo o instituto Chico Mendes, os parques e florestas nacionais mais atingidos pelo fogo estão na área que vai do Tocantins, passando pelo sudoeste do Pará e sul do Amazonas. Segundo especialistas, a principal causa das queimadas nessa faixa é a expansão agropecuária desordenada.

“Os incêndios se propagam dessa maneira: a prática de queima em propriedade rural que entra em uma unidade de conservação.

Neste ano, os incêndios já consumiram trezentos mil hectares em unidades de conservação federais.

Mas vale lembrar, aqui não!
É preciso reconhecer que não é uma questão de sorte apenas, acreditamos que os moradores, proprietários e todos aqueles que vivem desta e sobre esta região, estão mais conscientes. Reconhecem o enorme prejuízo que uma queimada, que um incêndio podem causar e isso, em conjunto com o trabalho que vem sendo realizado pelo IEF, Previncêndio, pela gerência do PESP, ongs que atuam na região e pela Fundação Matutu é o que vem garantindo uma época sem fogo.
Parabenizamos a todos os atores deste processo, mas, principalmente aos moradores desta região e aos brigadistas que se mantiveram e se mantém em estado de atenção. Vamos continuar assim, garantindo nosso futuro ambiente, a reposição das matas, fauna e flora que tanto sofreram até o ano passado.

Em tempo, o Projeto Bases Comunitárias de Proteção e Combate a Incêndios Florestais, realizado pela Fundação Matutu em conjunto com TFCA/FUNBIO e coordenado pela gerente do PESP, Clarice Lantelme, foi iniciado em fevereiro deste ano e já implantou as bases de Aiuruoca, Alagoa, Baependi e Pouso Alto. Essas bases são compostas por um coordenador e vários brigadistas, todos voluntários e que já estão equipados e trabalhando na prevenção e no combate a incêndios. A meta é termos mais um ano sem fogo em 2013, com isso ampliaremos nossa atenção para a visitação do Parque, para o turismo e para o desenvolvimento da nossa região.
Fica o convite para você conhecer a base de sua cidade, conhecer os brigadistas e o trabalho que eles fazem. Mesmo quando não temos fogo eles estão trabalhando, fazendo cursos , atuando como guias e protegendo nossas belezas naturais, a flora e fauna.

, , , ,

1 comentário

Reunião para constituição do CMDRS

Atenção:

No dia 21 de junho,
na Casa de Cultura em Aiuruoca,
Às 13 horas,

será Discutido  o processo de constituição do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável -CMDRS.

A  mobilização e  a condução desta reunião ficaram a cargo do técnico da EMATER de Aiuruoca, Ronaldo Lopes de Siqueira e continaurá contando com o apoio da Prefeitura Municipal.

Sua presença é muito importante para o fortalecimento da nossa região na gestão territorial participativa. É importante lembrar que o CMDRS e o Conselho de De COnservação e Defesa do Meio Ambiente-CODEMA são conselhos essenciais para a atuação dos municípios em relação à sua população, principalmente neste momento em que está sendo implantado o Consórcio de Ecodesenvolvimento Regional da Serra do Papagaio -CER-Serra do Papagaio, reunindo os municípios que integram o Parque Estadual da Serra do Papagaio, será um marco para o desenvolvimento dessa região.

Maiores iformações:

Ronaldo, fone 3344-1465 e 9823-5817
ou com Javan Senador na prefeitura.

Participe. Você faz a diferença!

Deixe um comentário

Palestra sobre o CER- Serra do Papagaio na OSCIP Amanhágua

No dia primeiro de maio, último dia de capacitação dos Mensageiros Ambientais, projeto sob a responsabilidade da OSCIP Amanhágua, em parceria firmada com a SEMAD/IEF, a Fundação Matutu, teve oportunidade de esclarecer dúvidas e contar aos jovens participantes sobre o Consórcio de Ecodesenvolvimento Regional da Serra do Papagaio. O que é, como surgiu, para que serve e outras questões foram esclarecidas. Os Mensageiros Ambientais terão por missão levar às famílias do entorno do Parque Estadual da Serra do Papagaio, uma cartilha e dicas sobre a conservação, preservação, saneamento e uso das águas entre outros temas ligados ao meio ambiente.

A peculiaridade desta iniciativa e a possibilidade de fazer chegar informações diretamente aos moradores ( os mensageiros podem chegar a mais de 500 residências durante o projeto) propiciou uma interação entre a  Matutu e a Amanhágua permitindo a divulgação do CER-Serra do papagaio.

Mônica Buono, presidente da Amanhágua, à direita de Dorotéa Naddeo, diretora executiva da Fundação Matutu. Buono salientou que o momento que estamos atravessando é completamente favorável para Minas Gerais e, em especial para a nossa região.

Os cursandos receberam muito bem a idéia e a palestra, que durou cerca de duas horas e serviu para introduzir conceitos sobre consórcios públicos e especificamente, sobre o CER-Serra do Papagaio.

Maria Dorotéa Naddeo, diretora executiva da Matutu,  agradeceu Mônica Buono, presidente da Amanhágua, pela oportunidade e parabenizou-a pelo trabalho que vem realizando ao longo dos últimos anos. Buono afirmou que estamos passando por um momento único, muito propício e cheio de oportunidades para os moradores desta região. É hora de trabalhar, que os frutos, com certeza virão. Para ver outras fotos deste evento, clique neste link.

1 comentário

Simulação testa condições de combate a incêndios florestais em Minas

Apoio aéreo é essencial para transporte de equipamentos e pessoas. Foto: Janice Drummond

O Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) realizou nesta sexta-feira (18/05), um Simulado Operacional de Combate a Incêndios Florestais no Parque Estadual da Serra do Papagaio, na região Sul do Estado. A atividade faz parte de uma série de treinamentos que estão sendo realizados nas unidades de conservação estaduais para aperfeiçoar o trabalho de combate ao fogo.
A atividade teve início às 18 horas do dia 17 de maio quando uma moradora do entorno do Parque informou, por telefone, ter avistado chamas no Pico do Santo Agostinho, a uma altitude de 2,2 mil metros acima do nível do mar. Imediatamente foi acionada a Força-Tarefa do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais de Minas Gerais (Previncêndio) do Governo de Minas que enviou reforços e uma aeronave que chegaram ao Parque às 5h40 do dia 17.
O simulado envolveu cerca de 50 pessoas e todos os equipamentos empregados no combate ao fogo, incluindo um helicóptero. Participaram da atividade integrantes da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar e da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), do Instituto Estadual de Florestas (IEF), que administra o Parque Estadual da Serra do Papagaio, além de 14 brigadistas voluntários da região.

Simulado

Helicóptero do Sisema leva equipamento para combate a incêndio florestal simulado em área de difícil acesso na Serra do Papagaio. Foto: Janice Drummond

O trabalho reproduziu todas as condições de um combate ao fogo, desde a identificação dos sinais de fumaça, emissão dos primeiros alertas até a confirmação do incêndio florestal de grande porte e que exigiu a participação da Força-Tarefa Previncêndio. Os simulados são uma iniciativa inédita em Minas e uma das inovações previstas no Plano de Ação 2012 para Prevenção e Combate a Incêndios Florestais.
“O objetivo maior é dar respostas ainda mais rápidas no combate ao fogo em seu início”, afirma Ana Carolina Miranda Lopes de Almeida, superintendente de Controle e Emergência Ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). “Até o final de junho serão realizados sete simulados para testar as medidas preventivas de cada unidade de conservação”, completa.
O Plano de Ação 2012 é composto por seis programas operacionais: prevenção e controle, capacitação, combate, infraestrutura e logística, comunicação, fiscalização e investigação. O programa prevê ações para reduzir as causas e os riscos de propagação do fogo, a capacitação de todos que participam dos trabalhos de controle dos incêndios e a elaboração de planos e estratégias de combate em função do tamanho do incêndio e dos meios disponíveis.
Um dos principais objetivos do simulado é a implementação do Sistema de Comando de Operações, ferramenta utilizada pela Cedec em situações críticas. “É fundamental criar condições, durante a operação, para que cada um execute da melhor forma possível sua missão”, afirma o assessor da subsecretaria de Fiscalização e Controle Ambiental, o capitão do Corpo de Bombeiros, Anderson Passos.
“O sucesso no enfrentamento de situações como o incêndio florestal, que reúne diversas pessoas de diferentes instituições, depende da organização eficiente dos esforços, da definição e divisão de funções durante o combate ao fogo”, explica Passos. “No caso da Serra do Papagaio, onde o terreno montanhoso e o clima frio da Serra do Papagaio impõem condições difíceis ao trabalho e que exige o uso de aeronave, cada movimento realizado precisa ser bem pensado”, completa.
O Parque Estadual da Serra do Papagaio possui 22.917 hectares inseridos nos municípios de Aiuruoca, Alagoa, Baependi, Itamonte e Pouso Alto. A unidade de conservação está localizada na região da Serra da Mantiqueira e abriga um importante remanescente do bioma Mata Atlântica, além de formações mistas de campos e áreas com matas de araucária.
Na área da, concentram-se as nascentes dos principais rios formadores da bacia do rio Grande, responsável pelo abastecimento de grandes centros urbanos do sul de Minas. Engloba ainda conjuntos montanhosos das Serras do Garrafão e do Papagaio, apresentando cerca de 50% da área com declividade acentuada e altitudes acima de 1.800 m. As encostas mais elevadas localizam-se no sul (Morro da Mitra do Bispo com 2149m) e ao sudoeste (Pico do Bandeira com 2357 metros).

Em 2011, quatro incêndios atingiram a área interna do Parque e queimaram cerca de 3,4 mil. Outros sete foram registrados no entorno do Parque, atingindo 3,5 mil hectares. Em 2012, não foram registrados incêndios na unidade de conservação.

Fonte:

Assessoria de Comunicação
Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema)
(31) 3915.1844

2 Comentários

Fogo Zero em 2012

A gerência do Parque Estadual da Serra do Papagaio-PESP uniu, os proprietários, a polícia militar do meio ambiente e o Ministério Público do Estado de Minas Gerais em uma reunião com o objetivo de esclarecer e convocar a todos para um trabalho em direção à redução total de incêndios florestais na região do Parque. Este trabalho faz parte da ação  do IEF, seguindo os objetivos e metas definidos pelo  Previncêndio para o ano de 2012.

Lantelme foi enfática em apresentar dados sobre os incêndios do ano anterior e garantir que está trabalhando, junto com os proprietários de terra, para não repetir o mesmo desastre quando chegar a seca. Este, em Baependi, é o primeiro de 4  encontros que ocorrerão em municípios vizinhos ao PESP, os proprietários presentes puderam obter esclarecimentos sobre formas de proteção contra incêndio, discutir e entender as diversas causas, incluindo o fogo descontrolado. Por sua parte, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais, representado pelo  Dr. Bergson Cardoso Guimarães, promotor de justiça da Coordenadoria Regional das Promotorias de Justiças do Meio Ambiente da Bacia do Rio Grande, reiterou que estamos em um novo tempo e que, neste momento, o Ministério Público está muito mais interessado em aconselhar e evitar demandas que punir; claro que as leis existem para serem cumpridas, mas levar a compreensão às pessoas sobre suas responsabilidades pode evitar grandes demandas e gerar muitos benefícios, principalmente quando se fala de meio ambiente.

Durante a primeira Reunião do Plano de Prevenção de Incêndio do PESP-2012,  o Sargento Martins, da divisão da polícia ambiental de Aiuruoca, salientou a necessidade do repasse da informação, com clareza e segurança, para que todos os envolvidos, seja o PESP, seja a polícia, sejam os brigadistas e/ou vizinhos, tenham condição de agir com rapidez no caso de um incêndio. Demonstrou conhecer bem a vida do campo e as dificuldades daqueles que moram nas comunidades rurais do entorno do Parque. Nasceu na região e foi “menino de roça”, hoje trabalhando do lado da lei e em defesa do meio ambiente, não esquece que apoiar, ensinar e participar são ações importantes para evitar atitudes punitivas.

Agenda de encontros:

Baependi – dia 13 de maio – 13 horas;
Itamonte – dia 15 de maio  – 13 horas;
Alagoa – dia 23 de maio – 13 horas;
Aiuruoca – dia 25 de maio – 13 horas.

Para ver mais fotos deste evento, clique neste link

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: